O Equilíbrio Financeiro – Parte 1

O Equilíbrio Financeiro – Parte 1

5 Fevereiro, 2019 0 Por O Tostão

Este é para mim um dos temas mais importantes na nossa vida. O equilíbrio financeiro pode ser um dos nos melhores amigos, poupando muitas dores de cabeça. Além disso, este equilíbrio é parte integrante de uma vida financeira estável, sem surpresas desagradáveis e stress desnecessários relacionados muitas das vezes com problemas financeiros.

O que é o equilíbrio financeiro?

Pois bem, esta é a questão chave! A resposta certa é para mim discutível e diferente para cada um de nós. Acho que não existe uma fórmula mágica que se aplique a toda a gente essencialmente pela variância observada em dois factores bastantes distintos: relação entre rendimentos/gastos e objectivos e padrões de vida a alcançar.

A relação entre os nossos rendimentos e os nossos gastos é uma condicionante que influencia de forma directa o nosso equilíbrio financeiro. Não é de difícil compreensão que quanto maior a nossa disponibilidade financeira mais facilmente fazemos face a determinado nível de despesa. Se temos rendimentos de 1400€/mês e um nível de despesa de 600€/mês conseguiremos mais facilmente alcançar um equilíbrio financeiro do que se apenas auferíssemos 800€ mensais e o valor das despesas se mantivesse.

Outra variável que influência bastante o que é o equilíbrio financeiro são os objectivos que temos para a nossa vida e os diferentes níveis de importância que damos a determinadas coisas do nosso dia a dia. Se para alguns de nós determinados hábitos do nosso dia a dia são puros pecados consumistas, para outros são essenciais para que se sintam vivos e que não se sintam prisioneiros de uma vida rotineira e extremamente sufocada pela sua situação financeira. São exemplos disso viagens, jantares fora, um smartphone topo de gama, etc.

Além dos padrões que procuramos ter durante o presente existe ainda a componente “futuro”. Uma pessoa que ambiciona aposentar-se uns anos mais cedo e ter nessa altura uma poupança amealhada que lhe permita um nível de vida desafogado terá certamente de se esforçar mais no que toca à poupança do que uma pessoa que ambiciona apenas gozar a sua pacata reforma.

Posto tudo isto, para mim, o equilíbrio financeiro é o alinhamento entre os nossos rendimentos e as nossas despesas tendo em consideração os nossos objectivos e pretensões no dia a dia, nunca esquecendo que a poupança deverá ser encarada como uma despesa necessária.

***

Para que este artigo não se torne demasiado extenso ficamos por aqui com a promessa de voltar em breve para que possamos falar mais acerca deste tema.